Início História da Igreja Quem escreveu o Apocalipse?

Quem escreveu o Apocalipse?

1470
7
COMPARTILHAR

Estudos sobre Apocalipse – Parte II

## Afinal de contas, quem escreveu o livro de Apocalipse? ##

No livro de Apocalipse, o autor apenas se identifica como sendo: “Eu, João, que também sou vosso irmão, e companheiro na aflição, e no reino, e paciência de Jesus Cristo […]”. (Apocalipse 1:9a – JFA Fiel). Nada mais é contado sobre ele mesmo em todo o livro.

Tradicionalmente, identificou-se, na história da Igreja cristã, que este João seria uns dos doze apóstolos de Jesus Cristo. Seria João, conhecido como o “discípulo amado”, autor também do Evangelho de mesmo nome e das três epístolas que levam seu nome. Porém, alguns estudiosos entendem que o autor de Apocalipse seria outro João, que habitou a Ásia Menor e pastoreou as igrejas cristãs que lá havia no final do primeiro século. Assim, existem dados históricos que favorecem que Apocalipse foi escrito pelo ancião conhecido como João de Éfeso.

Sobre as evidências internas, as passagens no livro em que João fala sobre si mesmo não nos ajuda muito a compreender de qual “João” se tratava. Isto, porque o mesmo apenas se apresenta como “João”, que foi exilado na ilha de Patmos, por causa do testemunho do Evangelho, e é apenas irmão dos demais cristãos perseguidos. No máximo, podemos entender que ele tinha o cargo de profeta e, por estar admoestando todas as principais igrejas da região (e por conhecê-las bem), ele era o presbítero que ajudava no pastoreio daquelas igrejas.

Observamos também que o autor de Apocalipse é notavelmente um conhecedor do Antigo Testamento e das tradições hebraicas, por causa do uso que faz das mesmas passagens e como as conhece bem. Podemos claramente deduzir que ele era um judeu da palestina, convertido ao cristianismo.

Existe outra informação que podemos deduzir da análise interna dos textos de Apocalipse: a escrita e o estilo literário de Apocalipse são muito diferentes do tipo de escrita das epístolas de João apóstolo e de seu evangelho. O Evangelho de João e suas epístolas denotam alguém que tem bom domínio e conhecimento da língua grega e dos conceitos helênicos, escrevendo em um estilo elegante e claro. Já o escritor de Apocalipse demonstra ser alguém que tem amplo conhecimento dos escritos, cultura e literaturas hebraicas, sentindo-se mais a vontade com o hebraico e aramaico, como se percebe nos hebraísmos ao longo do livro.

Existem, também, evidências de autores externos, bem como evidências historiográficas que nos dão algumas informações sobre o autor de Apocalipse. Porém, essas evidências parecem se contradizer, no tocante a quem dizem ser o autor do livro.

Primeiramente, alguns escritores e teólogos cristãos antigos, como Irineu e Justino afirmaram que o livro de Apocalipse foi escrito pelo apóstolo e evangelista João. Também existe o relato de um grande teólogo e historiador cristão chamado Eusébio de Cesareia que relata que o apóstolo João foi condenado a habitar a ilha de Patmos por pregar o Evangelho, e ali escreveu o livro, tendo, após isso, regressado a Éfeso.

Esses três autores são de grande importância para a construção da história e teologia da igreja antiga e, assim, pela sua influência e importância, as igrejas cristãs absorveram naturalmente e difundiram a imagem de que o escritor de Apocalipse teria sido realmente o “discípulo amado”, o apóstolo e evangelista João, um dos doze.

Porém, outras evidências externas parecem ir contra esta teoria. Dionísio, bispo da cidade de Alexandria, nos informou que o nome “João” era muito comum na época, principalmente entre os seguidores de Jesus. Além disso, na cidade de Éfeso havia duas tumbas com esse nome, referindo-se a alguém importante para as igrejas da época. Alguns relatos antigos também informam que em Éfeso, havia um bispo que pastoreava as igrejas da Ásia menor, que se chamava João e era um ancião que viveu por volta de cem anos.

Outro importante autor cristão, muito antigo, do século II, chamado Papias de Hierápolis, confirmou que haveria, na mesma época, os dois “João”; o apóstolo de Cristo e o ancião e pastor de Éfeso (e ainda afirmava que este último era o autor de Apocalipse). Uma terceira evidência externa é a tradição antiga de que o Apóstolo João sofreu perseguição em Roma, condenado a cozinhar em uma caldeira de azeite fervente. Assim, seria muito difícil ele estar na mesma época em outra região do Mediterrâneo, desterrado na ilha de Patmos.

Ao que parece, os escritores antigos acabaram confundindo os relatos referentes aos dois, e deram a primazia do escrito de Apocalipse ao João apóstolo, exatamente pela questão da confiabilidade como um dos doze, que tiveram com Cristo e formaram a grande Igreja.

Porém, o que deixamos claro aqui, é que o fato de Apocalipse ter sido escrito por João de Éfeso, em nada diminui a canonicidade do escrito, nem a sua validade e nem a sua santidade. Isto, pois, assim como Deus usou a vida do apóstolo João para os escritos do seu evangelho e epístolas, também poderia ter usado a vida do profeta e pastor João de Éfeso.

Cabe a cada estudioso analisar as evidências internas e externas e buscar o caminho que preferir em relação à autoria do livro de Apocalipse. Seja qual “João” for que tenha a escrito, a obra não perde sua validade para entender o contexto histórico-social da época e também para compreender sua mensagem como Revelação e Profecia bíblicas para o presente e o futuro.

Quando João escreveu seu livro, as pessoas já o conheciam e reconheciam como profeta e líder. Portanto, a sua autoridade já estava firmada perante aqueles cristãos.

Ref. Bibliográficas:

BONNEAU, Guy. Profetismo e instituição do cristianismo primitivo. São Paulo: Paulinas, 2003.

GONZÁLEZ, J. L. História ilustrada do cristianismo. A era dos mártires até a era dos sonhos frustrados. 2. ed. rev. São Paulo: Vida Nova, 2011.

KRAYBILL, J. N. Culto e comércio imperiais no Apocalipse de João. São Paulo: Paulinas, 2004.

MIRANDA, Valtair A. O caminho do Cordeiro: representação e construção de identidade no Apocalipse de João. São Paulo: Paulus, 2011.

____. Revelação: como ler e entender o Apocalipse. São José dos Campos: Inspire, 2011.

TENNEY, M. C. O Novo Testamento sua origem e análise. São Paulo: Shedd Publicações, 2008.

____ Tempos do Novo Testamento. Rio de Janeiro: CPAD, 2012.

THEISSEN, Gerd. A religião dos primeiros cristãos: uma teoria do cristianismo primitivo. São Paulo: Paulinas, 2009.

-Prof. Lucas Gesta – Cursos e Palestras de História da Igreja

7 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here